Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Print

Ida do filho de Simeone ao Atlético de Madrid causa “bronca” no River Plate

Giuliano Simeone está treinando na base do clube espanhol e, enquanto semifinalista da Libertadores quer compensação financeira, Atlético diverge
chegada-do-filho-de-simeone-ao-atletico-de-madrid-causa-bronca-no-river-plate-Futebol-Latino-12-09

Uma situação envolvendo o filho cacula do técnico Diego Simeone, Giuliano, o River Plate (equipe onde o jovem frequentou as categorias de base) e o Atlético de Madrid (Espanha), clube onde atualmente o primogênito de Cholo está treinando, criou um verdadeiro impasse no entendimento das duas diretorias.

Leia mais: Seleção do Peru não deve liberar Guerrero em próximos amistosos
BOMBA! Carlitos Tevez é indicado por Maradona para jogar no Gimnasia La Plata

Segundo a avaliação do clube argentino, pelo fato de já integrar as atividades da equipe europeia, o clube espanhol poderia pagar a taxa de transferência que é calculada em 250 mil euros (R$ 1,1 milhão) em função da passagem do jogador por quatro categorias diferentes do Millonario e ter saído sem o consentimento do clube.

Por parte do Atlético, o clube se apoia pura e simplesmente no aspecto legal de que, além de não ter assinado qualquer vínculo até o momento com Giuliano (algo que não caracteriza a sua contratação formal), tampouco o River tinha contrato profissional com o mesmo pelo fato dele ter apenas 17 anos de idade. O regulamento da FIFA só permite tal vínculo após o jogador completar 18 anos.

Outro argumento utilizado pelos Colchoneros é de que o filho de Diego Simeone viajou a Europa por motivos familiares, algo também previsto em lei como excludente da necessidade de compensação financeira. A informação que circula é que o desejo de Cholo seria de tirar o filho da crise social e econômica que vive a Argentina.

Com esse panorama e a FIFA tendo ratificado a posição do clube madrilenho segundo informou o diário Olé, o River conversa junto aos espanhois para costurar um acordo onde, ao menos, receba percentual de venda futura superior ao mecanismo de solidariedade previsto na legislação.