Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Print

Governo chileno oferece proteção para goleiro Gabriel Arias

O arqueiro, que foi considerado o maior culpado no segundo gol marcado pela equipe peruana, e seus familiares vem sofrendo com insultos e ameaças

*Por Juliano Rangel

Depois de fazer uma Copa América com vários altos e baixos, o goleiro Gabriel Arias foi um dos mais criticados após a atuação que culminou com a eliminação do Chile diante do Peru, nas semifinais do torneio. O tom forte das criticas se transformou em insultos e até ameaças que fizeram o governo chileno oferecer proteção ao arqueiro.

Leia mais: Real Garcilaso vence Cantolao e segue 100% na Copa Bicentenario

Independiente del Valle vence no reinício da liga equatoriana e assume ponta isolada

Em entrevista na última sexta-feira (05), o ministro de interior do Chile, Andrés Chadwick, destacou que o governo irá assegurar proteção para Arias e seus familiares, que vem sofrendo com diversos insultos e ameaças nas redes sociais.

“Para qualquer efeito de se requerer ou se for necessário Arias ou sua família pedirem uma proteção diante das ameaças, o governo manifesta que está totalmente disponível para eles”, assegurou o representante do governo chileno.

Diante das ameaças, que chegavam a incluir uma foto do filho de cinco anos do goleiro, Arias resolveu encerrar suas contas em todas as redes sociais. O arqueiro foi considerado o maior culpado no segundo gol marcado pela equipe peruana, e seus familiares vem sofrendo com insultos e ameaças.

Chadwick enfatizou o tom repugnante das mensagens e também frisou que a proteção se estende para o plantel chileno. “As ameaças são realmente repugnantes, inaceitáveis e condenáveis desde qualquer orientação”, lembrou o ministro de interior.

Diversos companheiros e até jogadores de outras seleções prestaram solidariedade ao goleiro, foram os casos do volante Arturo Vidal e o atacante peruano, Paolo Guerrero, que lembrou o caráter extremo que as criticas vem sendo proferidas. “Não se deve chegar a extremos como esse de ameaçar alguém por uma jogada pontual”, finalizou o atacante o Internacional.