Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Print

Grata a Santos e Corinthians, zagueira brasileira se firma no futebol português

Ex-companheira de Marta no Santos e campeã nacional com direito a prêmio individual no Corinthians, Jana hoje é uma das peças de destaque no Braga
grata-a-santos-e-corinthians-zagueira-brasileira-hoje-brilha-no-futebol-portugues-Futebol-Latino-13-12

Se no longínquo ano de 2008 o público que acompanha o futebol feminino ainda não sabia quem era Janaína Queiroz Cavalcante, uma zagueira criada na base do Santos, hoje essa missão está bem mais fácil e até com uma abreviação: Jana.

Leia mais: Paulo Autuori abre o jogo sobre a sua continuidade no Atlético Nacional
Destaque no Chile, Yeferson Soteldo é observado por gigante brasileiro

Dividindo clube logo no início de sua trajetória com nada mais nada menos do que a Rainha Marta, hoje Jana pode dizer que construiu e vem construindo uma trajetória de sucesso suficiente para orgulhar o seu “espelho”.

Afinal, são dois títulos de relevância no currículo (Copa do Brasil e Supertaça portuguesa) além do prêmio de melhor zagueira da competição nos tempos em que envergou a camisa do Corinthians/Audax. Algo que desperta um enorme sentimento de gratidão na defensora atualmente com 30 anos de idade tanto ao Alvinegro da Baixada Santista como ao Alvinegro do Parque São Jorge.

Porém, nem só de lembranças positivas é formada uma trajetória dessa longevidade. A própria Jana comenta de sua primeira ida a Europa para atuar na Rússia, avalia se tomou a melhor decisão naquele momento e comenta como isso serviu de aprendizado para desempenhar seu melhor futebol em Portugal com a camisa do Braga.

Confira a seguir como foi a entrevista com a zagueira brasileira Jana:

FL: Você viveu, mesmo que ainda no início da carreira, o antes e o depois da passagem da Marta pelo Santos. Acha que algo de significativo foi feito na questão de estrutura e apoio ao futebol feminino no clube?

FL: É possível dizer que a força atual do clube no feminino vem desse legado ou as duas coisas não tem muitas relação, na sua opinião?

FL: Comparando a sua primeira experiência no futebol europeu em 2013 na Rússia com o que você vive nos últimos dois anos, o que mudou nas suas condições de trabalho e na sua preparação para encarar esse tipo de desafio?

FL: A sua passagem pelo Corinthians pode ser classificada como o ponto alto da sua carreira, onde você conseguiu demonstrar o seu futebol da melhor maneira?

FL- Depois de chegar a Portugal, qual seria o seu próximo passo? Se manter no continente, retornar ao Brasil buscar outro mercado?