Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no print
Print

Hoje médico, ex-jogador da MLS faz relato sobre combate ao Covid-19

hoje-medico-ex-jogador-da-mls-faz-relato-sobre-combate-ao-covid-19-Futebol-Latino-31-03
Foto: Divulgação/Real Salt Lake

Se dentro de campo o então zagueiro ganês naturalizado norte-americano Robbie Russell se acostumou a proteger a meta das equipes que defendeu na carreira (Duke Blue Devils, Breidablik – Islândia, Sogndal e Rosemborg, ambos da Noruega, Viborg – Dinamarca, Real Salt Lake e DC United) , atualmente o médico residente Dr. Robbie Russell lida diariamente para defender a população de um oponente letal: o novo coronavírus.

Leia mais: Careca faz comparação entre trio do Napoli com tridente do Barcelona
Sem sucesso na Europa, Alexis Sánchez pode ter destino surpreendente

Logo no seu primeiro ano de residência no hospital da Universidade da Virginia, Robbie se deparou com uma pandemia onde a área médica precisa estar atenta a todas as modificações de cenário e situações um tanto quanto inusitadas que podem viver no exercício da profissão. E foi justamente nessa linha de raciocínio que ele fez seu relato durante palavras ditas ao programa de rádio ExtraTime e publicadas no site oficial da Major League Soccer (MLS):

“Isso definitivamente vai ser parte importante da nossa experiência em termos de estar no primeiro ano como médico. Nós seremos a geração de médicos que tiveram a oportunidade de viver esse tipo de coisa. E isso acaba naturalmente afetando o nosso treinamento na questão das adaptações. É um processo de adaptação. Me ajuda a minha vivência como atleta, você está acostumado a se adaptar. Você não sabe o que o dia vai te trazer e ajuda ter esse tipo de força e ter esse recurso na manga porque ajuda a te manter de pé.”

Apesar de ressaltar a importância do aspecto da força mental, ele reconhece que existem vários momentos onde a saudade dos familiares é algo que bate mais forte. Além disso, ele sabe que superar a pandemia o tornará um profissional (e até mesmo uma pessoa) melhor. Porém, preferiria não ter de viver essa realidade:



“Nem sempre é algo gratificante. Sinto saudade dos meus filhos, da minha esposa. Mas também odiaria colocar eles em risco… No fim, acho que isso vai ser um sinal. Daqui a seis meses ou um ano, pensaremos algo como ‘Olha só, nós superamos isso’. Mas eu preferia não ter de viver isso, estar em meio a algo que é muito maior do que todos nós.”

Mesmo dentro da área médica e convivendo em caráter diário com o novo coronavírus, Robbie pontua que as informações ainda são poucas para fazer qualquer tipo de análise com a precisão necessária para definir em quanto tempo será possível conter a pandemia.

“Pessoalmente, há muita coisa desconhecida. Você não saber como vai ser daqui a um mês, dois, três, no fim de tudo isso? Todo mundo está tendo de lidar com isso. Todos estão lutando contra isso. E para mim, pessoalmente, mesmo sendo alguém da saúde, não significa que eu tenha uma bola de cristal ou a capacidade de prever as coisas. Você apenas confia nas informações que você tem”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Futebol Latino 2019