Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Print

Kily González abre o jogo e fala sobre drama pessoal após aposentadoria

Ícone do futebol argentino pendurou as chuteiras em 2011 e apresentou um quadro gravíssimo de depressão por três anos

Quem acompanhou o futebol no começo dos anos 2000 certamente lembra da figura de Kily González, meio-campista argentino, que gostava de uma confusão, principalmente em duelos contra o Brasil.

Leia Mais: Mais um no Boca? De Rossi presenteia jogador da Roma e deixa mistério no ar
Atacante demonstra desejo de voltar ao futebol sul-americano

Atualmente aposentado, o ex-jogador concedeu entrevista ao jornal La Nación e revelou um momento triste da sua vida quando decidiu pendurar as chuteiras.

“Quando optei por deixar o futebol atravessei um momento complicado. Deixei até mesmo de acompanhar o Rosario Central, que é uma das paixões da minha vida. Não conseguia aceitar a aposentadoria. A barba ficou grande e parecia o personagem do filme Náufrago. Hoje em dia estou recuperado e ajudo os meninos do Central a construir a sua história nos gramados”, declarou.

Carreira

Revelado pelo Rosario Central, Kily González defendeu o Boca Juniors antes de ser negociado com a Europa, onde atuou com destaque pelo Zaragoza e Valencia, ambos na Espanha. O seu último clube no Velho Continente foi a Inter de Milão. Ele ainda colecionou passagens pelo San Lorenzo e encerrou a sua trajetória nos gramados pelo Rosario Central.