Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no print
Print

Maracanazo: a “tragédia” em contraste com a charrua

maracanazo-a-tragedia-em-contraste-com-a-charrua-Futebol-Latino-16-07
Foto: Divulgação

O elemento capaz de conduzir o maior dos talentosos (no futebol e na vida) é a arrogância. É no espaço sorrateiro e imperceptível do seu crescimento que podemos perceber o chamado “começo do fim” para o insucesso. A falha jamais imaginada. Tudo acontecer exatamente como NÃO se espera.

Leia mais: O amor pelo futebol e as apostas online
Vai voltar! Campeonato Paranaense tem data marcada pela FPF

Se existe um roteiro mais desenhado do que a final da Copa do Mundo de 1950 calcada com esses contornos, os deuses do futebol (e das artes cênicas) ainda não se dignaram a revelar. Era o anfitrião seguro 200.000% de si (proporcional ao público presente) diante dos uruguaios que, mesmo com as quatro estrelas no currículo (duas medalhas de ouro nas Olimpíadas e duas Copas), pareciam fadados a serem coadjuvantes na aguardada decisão.

O regulamento permitia que, com uma igualdade, a Seleção Brasileira conquistaria o inédito título diante de seu povo. Título esse, aliás, que era declamado aos quatro cantos como já conquistado mesmo o campo ainda não tendo constatado tais previsões.

O gol de Friaça logo no começo do tempo complementar parecia o começo da grande festa. Afinal, se foi feito o mais difícil que era abrir a contagem, os uruguaios não “ousariam” estragar a festa conseguindo a então interpretada como improvável reviravolta. Não?




O empate de Alberto Schiaffino abalou, mas não acabou com o “fogo” vivo da conquista iminente, afinal o regulamento seguia favorecendo. Mas veio Alcides Ghiggia. Veio rápido. Livre. Preciso.

E, perto de acabar o confronto, também acabavam as certezas e começava a incredulidade. Barbosa passava a ser injustamente crucificado. O Maraca ficava calado. A celebração mudava de lado.

Não à toa, essa vitória ainda é muito celebrada pelos lados do Uruguai. Não que precisasse, mas foi uma prova cabal e irrefutável de que subestimar o povo das margens do Rio da Prata é um erro respondido com charrua. Com bravura. Com superação. A Seleção e o Maracanazo que o digam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Futebol Latino 2019