Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no print
Print

Modelo de clube-empresa e possíveis melhorias ao futebol sul-americano

modelo-de-clube-empresa-e-possiveis-melhorias-ao-futebol-sul-americano-Futebol-Latino-27-08
Foto: iStock

*Por Agência Conversion

Aprovada em julho pela Câmara dos Deputados e sancionada em agosto pelo presidente Jair Bolsonaro, a Lei 14.193/21 tem o objetivo de transferir todos os bens e direitos dos clubes que aderirem à Sociedade Anônima de Futebol (SAF), que contará também com venda de títulos para acionistas.

Soccer 300x250

Leia mais: Galo se torna o novo favorito a levar o Brasileirão
Pressão! Chile recebe autorização importante para duelo contra o Brasil

O projeto trouxe um tema discutido no futebol brasileiro há décadas: a transformação de clubes de futebol em empresas do tipo sociedade anônima, com a possibilidade de angariar mais recursos financeiros para o clube. A proposta era de autoria do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Os times de futebol, hoje, funcionam como associações civis, sem fins lucrativos. Com a mudança, os clubes poderão receber investimentos privados, otimizando o rendimento do clube com atletas de ponta e também cuidando da parte financeira, uma vez que as dívidas civis e trabalhistas não serão repassadas para a nova empresa. As dívidas poderão ser pagas com prazos bem maiores e serão corrigidas apenas pela taxa Selic.

De acordo com o jornalista esportivo Lucas Pedrosa, essa medida pode ajudar os clubes a equacionar as dívidas para que voltem a ter rendimentos o suficiente para pagar funcionários, acordos na Justiça e outros. No Brasil, o Red Bull Bragantino já é um bom exemplo de como o investimento privado pode auxiliar no crescimento de um time, fazendo um bom campeonato no Brasileirão e na Copa Sul-Americana. Alguns times, como o Cruzeiro e América-MG, estão otimistas quanto à mudança e acreditam que poderão se beneficiar da medida.

Banner-Cyber-Bet-300-250-interna-Futebol-Latino-13-07

No entanto, alguns exemplos da América Latina podem vir na contramão da ideia de que a transformação do clube em empresa pode solucionar os problemas do clube. No Chile, por exemplo, o Colo-Colo, após se tornar empresa e ter um bom rendimento na Libertadores (há cinco anos), quase foi rebaixado para a segunda divisão após má administração.

Na Argentinade em período presidencial de Mauricio Macri, mais precisamente no ano de 2018, também foi avaliada a proposta de transformar clubes em sociedades anônimas. Justamente por ser um modelo muito adotado na Europa, que tem atualmente um futebol profissional quase imbatível, a ideia é equiparar as equipes sul-americanas às equipes europeias. No entanto, a instabilidade financeira pela qual a Argentina passava à época fez com que a grande maioria dos clubes argentinos recusasse a ideia.

A medida, no entanto, pode auxiliar muito os clubes que estão com uma situação financeira complicada, uma vez que torna plausível a quitação de dívidas extensas, além de permitir que os clubes reservem mais caixa para seguro viagem internacional, dando mais segurança a atletas e técnicos, por exemplo. De qualquer maneira, o futebol sul-americano poderia se beneficiar da transformação, principalmente com uma boa gestão do time.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Futebol Latino sabe que a alegria do esporte bretão do continente americano é bem mais do que Brasil, Argentina e Uruguai. Isso porque o amante da bola quer mesmo é saber de tudo, desde a final do Brasileirão até a 5a rodada do Peruano, com a mesma seriedade e com a mesma paixão. Leia Mais

Entre em contato conosco: comercial@futebolatino.com.br

© Futebol Latino - Todos os Direitos Reservados - 2019 | Por Diegão ©

error: Futebol Latino 2019