Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no print
Print

Peter Crouch relembra traumático episódio envolvendo Marcelo

marcelo-nao-ve-necessidade-de-reforcos-para-o-real-madrid-Futebol-Latino-19-08
Foto: Miguel Riopa/AFP

Na Liga dos Campeões da Europa de 2010/2011, depois de ficar com um homem a menos, o Tottenham foi goleado no jogo de ida das quartas de final por 4 a 0 pelo Real Madrid onde, na expulsão citada, os envolvidos no lance foram o ex-atacante inglês Peter Crouch e o lateral-esquerdo brasileiro Marcelo.

OS_BRAZIL_300x250_2020_Q2_SOC

Leia mais: Liga BetPlay: Atlético Nacional embala e Deportivo Cali mostra a sua força
Venezuelano: Dois jogos fecharam a 9ª rodada da chave B

Todavia, além da natural frustração pelo momento, o que ninguém sabia foi o acesso de raiva que Crouch teve naquele momento e que ele deu detalhes em palavras ditas ao podcast From the Horses Mouth, veiculado pela casa de apostas Paddy Power.

Para ele, houve justiça somente no primeiro cartão amarelo que ele tomou ao fazer falta dura em Sergio Ramos, mas não na queda acrobática protagonizada pelo brasileiro que, depois do lance, chegou a ser flagrado comemorando a expulsão.

“O primeiro cartão que me deram foi justo. Foi por uma entrada no Sergio Ramos. Mas o segundo… não. O segundo amarelo foi por culpa do Marcelo. Sequer o toquei, mas ele fez um voo incrível no ar, rodou e, quando o árbitro me deu o segundo amarelo, começou a pular de alegria. Nunca quis bater tão forte em alguém como em Marcelo naquele momento. Fui ingênuo”, descreveu o ex-jogador britânico.

Algo que deixou as coisas ainda piores foi o fato de que, estando nos vestiários do Santiago Bernabéu, Crouch se martirizava pelo cartão vermelho ao ouvir os torcedores do Real comemorando um gol atrás do outro.

“O vestiário fica na parte baixa do estádio e há fileiras e fileiras de torcedores acima. Estava no vestiário com uma toalha na cabeça e pude escutar um gol atrás do outro. Pensei que tudo era culpa minha.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *