Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Print
Profissional afirmou que, em bate-papo com "dirigente do alto escalão" da entidade sul-americana, foi apontado certo desleixo de diretores brasileiros
Invasão-polícia-sede-Conmebol-Futebol-Latino-08-01

Em meio as intensas discussões relacionando a expulsão do zagueiro Dedé em Boca Juniors x Cruzeiro com a “fraqueza” dos clubes brasileiros junto a Conmebol, uma revelação interessante foi feita pelo jornalista André Hernan no programa Seleção SporTV.

Leia mais: Prognósticos apontam favoritismo do Cuenca diante do Fluminense
Palmeiras é ligeiramente favorito contra o Colo Colo, segundo as casas de apostas

Durante a passagem na cidade de Santiago enquanto repercutia as informações do Palmeiras mediante a partida dessa quinta-feira (20) contra o Colo-Colo no Monumental de Santiago, Hernan revelou uma conversa que teve com um integrante da Confederação Sul-Americana de Futebol que não teve seu nome revelado sobre o comportamento dos dirigentes brasileiros.

Segundo as palavras do jornalista, não existe o interesse dos cartolas em realmente se envolver nos assuntos tratados nas reuniões da entidade máxima do futebol na América do Sul:

“Eu conversei uma vez com um dirigente do alto escalão da Conmebol em um evento que estive na sede (da Conmebol) e ele me disse que, quando há reuniões, os dirigentes brasileiros quase nunca aparecem ou sempre chegam atrasados, quando a reunião é depois do almoço chegam no meio da tarde.”