Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no print
Print

Técnico da Venezuela diz que estilo de Dudamel “não é o que mais lhe agrada”

governo-teria-ligacao-com-nome-de-novo-tecnico-da-venezuela-Futebol-Latino-03-02
Foto: Francisco Leong/AFP

Tendo assumido a seleção da Venezuela justamente para a substituir Rafael Dudamel, já demitido do Atlético-MG, o treinador português José Peseiro admitiu que não tem a mesma preferência de estilo de jogo que o antecessor.

Leia mais: Carlos Valderrama dá declaração polêmica sobre Teo Gutiérrez na Colômbia
Passe magistral de Dani Alves para Messi é destaque na UEFA

Em entrevista exclusiva que deu ao jornal espanhol Marca, o ex-assistente do também técnico lusitano Carlos Queiroz, hoje na seleção da Colômbia, reconhece que a sua maneira de ver futebol é bem diferente do que aplicou Dudamel. Contudo, entende que a base sólida de trabalho estabelecida principalmente no sistema defensivo será de grande valia para o que ele imagina aplicar na Vinotinto.

“O estilo de Dudamel não é o que mais me agrada. Prefiro um futebol mais ofensivo, com mais risco, defender com as linhas mais altas, ter mais posse… essa é a nossa ideia… mas eles (jogadores) tem que comprar. Defender atrás é mais fácil, mas essa organização que Dudamel implantou deram resultados a Venezuela. Minha ideia é aportar coisas no ataque sem perder o equilíbrio ou arriscar o resultado”, explicou Peseiro.



O treinador aproveitou para comentar também sobre como as negociações aconteceram rapidamente em período onde o nome de Jorge Sampaoli (hoje no Atlético-MG) ganhou bastante força para o cargo:

“Um empresário me contatou e perguntou se me interessava. Eu tenho o sonho de estar em uma Copa do Mundo, então começamos a conversar. Falei com o vice-presidente da Federação (Venezuelana de Futebol) e, três semanas depois, viajei a Caracas para avaliar as coisas ‘in loco’. Apresentei o meu projeto e assinamos.”

“A Venezuela é a única equipe da Conmebol que nunca foi para o Mundial. Sei que não é fácil. Estar no Catar em 2022 é uma obrigação para os outros. Brasil, Argentina, Colômbia, Uruguai e Chile são os candidatos, mas eu tenho o sonho e a vontade de cumpri-lo”, completou o técnico português.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Futebol Latino 2019